Home / Artigos / A escravidão já acabou, mas tem gente que ainda não sabe

A escravidão já acabou, mas tem gente que ainda não sabe

escravidão não

Há ainda uma nuvem nebulosa na cabeça de várias pessoas quanto à noção de riqueza, ao trabalho pela Internet e ao pleno direito à prosperidade.

Vamos começar pelo que muitos desconhecem: o potencial das pessoas é igual, embora as habilidades possam ser diferentes. E habilidades também podem ser desenvolvidas.

Jim Rohn ensina: “O mesmo vento sopra para todos, mas você tem que saber posicionar as velas.”

Efetivamente, todos os seres humanos têm potencial para atingir o sucesso. Alguns não acreditam, outros não se empenham, ou têm preguiça de aprender, ou são acomodados demais para começar e, se começam, não persistem.

Mas isso não é o pior.

O que atrasa a vida de muitas pessoas é o conceito equivocado que ainda têm sobre o direito à prosperidade e à riqueza.

Dinheiro não cai do céu. Ele sai de um lugar para o outro. A melhor forma de acabar com a pobreza é distribuir a riqueza, e não estamos falando de comunismo nem de socialismo. Estamos falando de mostrar a oportunidade às pessoas de saírem do marasmo e do conceito equivocado de que não têm direito à riqueza.

Recebi o protesto de um leitor que se dizia revoltado pelo fato de eu falar em riqueza num país onde há tantos pobres e tantas pessoas “de origem humilde” que levam anos batalhando por um emprego.

Esse leitor acha que está do lado dessas pessoas, mas está contra elas.

Mesmo sem querer, ele está levando a essas pessoas a mensagem equivocada do conformismo.

Pobre não tem que se conformar em ser pobre. Ele tem que lutar para conquistar a prosperidade a que todos têm direito. Inclusive ele, é lógico.

Aí dirão: mas para ele é muito mais difícil: não tem escola, não tem oportunidade, tem muito menos chances de subir na vida.

Mas a acomodação e o conformismo apenas agravam esse quadro.

Para alguém sair da condição de pobreza é preciso em primeiro lugar acreditar que pode sair e que tem o pleno direito de sair.

Aí começará a buscar o caminho.

Grande parte dos jovens hoje pensa em cursar universidade e fazer um concurso público.

Tornar-se um funcionário público, ou empregar-se numa empresa com um bom salário, pode ser bom, mas pode também significar um dos primeiros passos para abrir mão da prosperidade, pois pode também significar (vamos repetir: pode significar) a acomodação ao trabalho, à rotina, ao salário, ainda que deteste o que estará fazendo por anos, por décadas.


O mesmo Jim Rohn, que conquistou grande riqueza aos 31 anos, diz que é preciso perceber que lucro é melhor que salário.

O salário também pode ser bom. O funcionário pode ser bem sucedido (estamos falando apenas em formas honestas de atuar), mas há limites à sua ambição. O salário de um funcionário bem remunerado propiciará que ele se vista bem, que alimente a família e viaje nas férias.

Um empreendedor de sucesso (já que estamos falando também de um servidor público de sucesso) não tem limites ao seu crescimento. Tudo dependerá, fundamentalmente, do seu empenho e da sua determinação.

Anthony Robbins, que hoje organiza eventos para um auditório de mais de 5 mil pessoas, pulou de uma renda anual de 38 mil dólares para um milhão de dólares. E hoje ganha infinitamente mais do que isso.

Seu lema não é o do egoísmo, muito pelo contrário. Ele se orgulha hoje de ter uma Fundação que alimenta 3 milhões de pessoas em 32 países.

Ele diz: faça sempre algo por alguém que está pior do que você. Você está na vida não apenas para receber, mas para dar.

Certamente há ricaços egoístas, ranzinzas, que não têm um pingo de caráter ou de amor ao próximo.

Mas, todas as vezes em que acomodamos um pobre à sua condição de pobre, estaremos aproximando-o muito mais do ricaço ranzinza do que de um Anthony Robbins que reconhece que bondade atrai bondade ou de um Jim Rohn que diz que servir a muitos leva à grandeza e que adota como lema “treinar e ensinar pessoas”.

A corrupção que se alastrou no Brasil e em vários países aumenta a associação que as pessoas fazem entre riqueza e desonestidade.

Isso leva a um quadro dramático: os pobres perdem o foco e tendem a permanecer pobres, e os ricos tornam-se cada vez mais ricos. Porque o dinheiro tem que ir para algum lugar. E se ele não vai para as mãos dos pobres, acaba indo cada vez mais para as mãos dos ricos, incluindo aí os gananciosos, que nunca se dispõem a ajudar ninguém.



Voltemos ao caso dos jovens que se sentem na obrigação de cursar uma universidade. Nada contra que queiram estudar e conquistar uma profissão, desde que gostem dessa profissão. E que adquiram realmente conhecimento, porque nem toda universidade proporciona isso, pelo menos em grau satisfatório.

Não estamos aqui pregando a inutilidade de um diploma. Mas conhecimento é mais importante do que diploma. Diploma sem conhecimento não vale nada: irá contribuir para o surgimento de mais um picareta no mercado. Mas conhecimento sem diploma, seguramente, vale muito.

Zig Ziglar resume: “Você tem que ser antes de fazer, e você tem que fazer antes de ter”. E mais adiante:  “Todos nasceram para serem vencedores, mas para vencer é preciso se preparar, e para vencer é preciso também treinar.”

Robert T. Kiyosaki, autor do best-seller Pai Rico Pai Pobre, observa que a universidade ensina a profissão, mas não ensina a ganhar dinheiro.

As pessoas saem com o diploma e não sabem ganhar dinheiro nem com o que aprenderam. Já os que tiveram algum aprendizado sobre como ganhar dinheiro conseguem ser profissionais bem remunerados.

Quanto a diploma e conhecimento, vamos a uma conclusão evidente: a Internet hoje é uma fonte de conhecimento gigantesca, riquíssima, até porque todo o conhecimento (ou pelo menos uma expressiva parcela) que está nas universidades também está na Internet. E muito do que está na Internet nem sempre está nos livros escolares.

Adotando a Internet como universidade, uma pessoa pode garantir um nível de conhecimento invejável. É lógico que é preciso saber selecionar, porque na Internet há coisas boas e coisas ruins. Mas isso também se aplica às bibliotecas e às livrarias.

Há inúmeros empreendedores que hoje ganham fortunas e que nunca cursaram uma universidade. Ou então cursaram apenas por exigência dos pais e acabaram nunca exercendo a profissão.



E há vários empreendedores de sucesso que abandonaram a universidade antes de concluir e curso e nunca mais retornaram. E não é pouca gente.

Absorvendo o conhecimento que há nos livros e na Internet a pessoa pode se tornar um expert, ainda que não tenha nenhum diploma. E pode enriquecer.

Brendon Burchard, autor do best-seller O Mensageiro Milionário, mostra que todos temos uma expertise. Se a desenvolvemos, podemos nos tornar ricos e até milionários. Ele é um exemplo disso. Depois de sofrer um acidente grave, que quase o levou à morte, ele repensou tudo na vida e tornou-se um milionário. O dinheiro não veio num passe de mágica. No início, até fracassou. Mas ele persistiu. E venceu.

Se aconteceu com ele, pode acontecer com todo mundo.

Há uma ilusão de que “poucos conseguem”. Mas o fato é que poucos fazem, poucos se empenham, poucos persistem. Poucos insistem até se tornarem vitoriosos.

É preciso começar e, principalmente, não desistir nunca, porque quem desiste não conseguirá mesmo.

Se der errado, faça de novo. Se de novo der errado, faça mais uma vez. E de novo, e de novo…

Se desistir de bater o pênalti, não fará o gol.

Novamente é Jim Rohn quem nos ensina:

O segredo de melhorar é repetir.

Não é o que acontece que vai determinar o seu futuro, é o que você faz a respeito do que acontece.

__________________________________________________________________________________

Assista ao video para saber mais:



About Gerson Menezes

Gerson Menezes é jornalista, escritor e empresário. Possui uma extensa rede de sites e três canais no YouTube. Em sua carreira profissional ministrou aulas como professor universitário durante 10 anos e atualmente se dedica à atividade de empreendedor digital. Em sua atuação em jornais, revistas, assessorias de comunicação, emissoras de rádio, livros publicados, artigos na internet, já produziu mais de 15 mil textos. Parte dessa produção está em seu site pessoal, no endereço http://www.gersonmenezes.com.br (Acesse em PC/notebook. Não acessível em dispositivos móveis por conter abertura em flash). Essa produção permanece em ritmo acelerado, pois há novos textos de sua Autoria sendo continuamente publicados em blogs de artigos e em sua rede de sites, direcionados a vários nichos de mercado. É também proprietário da empresa Texto e Vídeo Produções. Seu mais novo endereço na internet engloba toda a sua rede e abrange os segmentos de Educação, Motivação, Dinheiro, Saúde, Relacionamento, Mulher, Audiovisual e Turismo. Visite: https://www.pegseuebook.com.br

Participe com seu comentário

Importante
Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso de cookies.