Home / Artigos / Fique esperto porque podem estar querendo matar você

Fique esperto porque podem estar querendo matar você

Fique esperto porque podem estar querendo matar vocêO mundo está cada vez mais perigoso e imprevisível. Então, o que temos a lhe dizer logo de início é que fique esperto porque podem estar querendo matar você.

Vamos explicar isso detalhadamente, para não parecer teoria da conspiração, como muitos imaginam.

E mais adiante vamos falar sobre panorama internacional e temas como Cuba e Venezuela.

Como você certamente já percebeu, nosso foco principal é empreendedorismo. Mas este artigo te interessa e tem muito a ver com os fundamentos de quem lida com riqueza e sucesso. É o primeiro de uma série de dois sobre esse tema.

Como equacionar problemas globais?

Não adianta ignorar a realidade. Para equacionar o aumento da população pobre no mundo há somente duas correntes: a que propõe a inclusão e a que propõe a exclusão.ditadura

A questão que surge é que a inclusão implica distribuição de renda. E as oligarquias, que já possuem muito mais do que o suficiente para viver, querem cada vez mais. E nem passa pela cabeça delas distribuir renda.

Já os que querem a inclusão lutam contra as gritantes desigualdades sociais. Há comunistas entre eles? Ora, lutar contra as desigualdades sociais não significa ser comunista. Significa dar oportunidade a todos. E o nome disso é democracia.

Injustiça e ideologias ultrapassadas

justiça cegaComo empreendedor digital, eu conheço e convivo há mais de uma década com inúmeros empreendedores. E nenhum deles prega o comunismo. O que pregamos é o direito que todos têm de viver uma vida digna. Sem ter, evidentemente, que enfrentar miséria e passar fome, se tem comida até de sobra no mundo. E se existe também dinheiro sobrando, só que está concentrado nas mãos de poucos. E achar isso injusto não significa ser comunista.

Mas onde é que a coisa pega? Vamos explicar detalhadamente, para você entender melhor. E ai vai entender também por qual motivo estamos lhe recomendando que fique esperto porque podem estar querendo matar você.

O dilema do mundo

Os ricos quase não têm filhos. Eles não querem ter. Alguns querem ter um ou dois, no máximo. Ou porque gostam de crianças (sim, existem milionários humanos rssrss). Ou porque querem ter herdeiros para quem deixar suas fortunas.

Os pobres não têm fortuna para deixar e sempre têm mais filhos do que os ricos. Alguns fazem controle da natalidade. Mas, mesmo assim, têm mais filhos do que os ricos. E evidentemente a pobreza acaba se multiplicando.

Tem solução?

Alguns dirão: por que então não deixar de ter filhos? Ou então deixar de ter tantos filhos assim?

Vamos explicar isso também.

idososO mundo precisa de crianças. Além de elas serem uma alegria na vida de pais amorosos, elas também cumprem uma função social e até existencial.

Se não nascerem crianças, o mundo envelhece cada vez mais. Enquanto em alguns países nascem muitos pobres, já existem países em que a taxa de natalidade é muito baixa. E que, por isso, os governos desses países incentivam, e até pagam, os casais para terem filhos.

Japão, Alemanha, Austrália, Coreia do Sul, Singapura e Eslovênia estão entre os vários países com baixíssima taxa de natalidade. Na Europa, um continente rico, a taxa de natalidade é muito mais baixa do que na África, um continente pobre.

Por que os bebês têm que nascer

Vem sempre a pergunta: por que os países se preocupam tanto com a falta de nascimentos? E a resposta é simples: porque a economia se desequilibra se a população não se renovar. Esta é uma das mais graves consequências para esses países.

Um dia os idosos vão morrer, certo? E se eles são muito mais numerosos do que as crianças e os jovens, quem vai tocar a economia? Quem vai administrar as finanças? Quem vai governar os países? E se isso prosseguir em proporção geométrica, vai chegar um dia em que essa população que toca a máquina da economia simplesmente vai deixar de existir.

Fique esperto com o que vem por aí

Veja que o maior problema do mundo são os desequilíbrios. Em todos os sentidos. E é por isso que alertamos você para que fique esperto porque podem estar querendo matar você.

Lembra que explicamos que existem duas correntes, a da inclusão e a da exclusão? Se você é pobre, a corrente da inclusão quer incluir você. E a corrente da exclusão quer excluir você.

Isso em si dá origem às guerras ideológicas. Não se trata de ser socialista, de ser comunista ou de ser capitalista. Isto é uma forma simplista de encarar o problema central: como resolver os desequilíbrios do mundo?

Porque você, evidentemente, que é uma pessoa inteligente, já viu que esses desequilíbrios existem, são reais. É inevitável reconhecer que o nome disso é realidade. E que, obviamente, inclui desdobramentos políticos. Dai repetirmos a recomendação: fique esperto porque podem estar querendo matar você

Pobre não precisa de esmola

Inclusão social não significa dar esmola a pobres. Não significa multiplicar programas de assistencialismo que tenham como objetivo manter os pobres na pobreza ou escravizados ao sistema vigente.

Inclusão significa garantir, de forma efetiva, oportunidade a todos de crescerem e de progredirem na vida. E os pobres, evidentemente, já saem para essa corrida em desvantagem, porque a vida deles é incomparavelmente mais difícil do que a dos ricos.

Já a exclusão significa não oferecer essa oportunidade. Significa enriquecer os ricos e empobrecer ainda mais os que já são pobres. Significa promover genocídios declarados ou camuflados.

Simplificar só atrapalha

É preciso reconhecer também que o problema é muito complexo e que envolve muito mais componentes e características.  Por isso costumamos afirmar que ficar reduzindo o mundo às ideologias é uma simplificação de um problema complexo. E é muito mais complexo do que você imagina.

Por isso mesmo é impossível abordarmos tudo em um só artigo, pois ficaria longo demais.

E essas problemática envolve agora até os avanços tecnológicos. Por isso, para que este artigo não fique demasiadamente extenso, vamos falar mais sobre esse tema no próximo artigo.

Fique esperto porque podem estar querendo matar você

Só mais um alerta: vivemos um problema gigantesco no Brasil. Nossa agenda nessa disputa presidencial é apenas doméstica. Não inclui o cenário internacional, como se o Brasil não fizesse parte do mundo. E quando falamos em cenário internacional não nos referimos a Cuba e Venezuela, como você verá daqui a pouco.

Enquanto discutimos aqui os nossos problemas domésticos, os países poderosos discutem lá fora os destinos do mundo. Já podemos adiantar que 2019, segundo previsões dos analistas lá de fora, será um ano dificílimo, de muitos desequilíbrios.

O fracasso da direita

No nosso debate sucessório continuam sendo mencionados Cuba e Venezuela. Você sabe o que significam esses dois países para as grandes potências internacionais? nada. São encarados apenas como dois moleques nos quais eles dão um peteleco quando se intrometem na conversa de adultos.

Você já reparou que se fala obstinadamente em Cuba e em Venezuela, mas não se menciona a Argentina? O nosso vizinho e principal rival no futebol é um país muito mais importante no âmbito da América do Sul, governado por um direitista cuja política tem fracassado e que enfrenta uma crise gravíssima, que se acentua do ponto de vista cambial.

E por que será que não citam a Argentina? Será porque o governo lá é de direita, fez um acordo com o FMI e está no maior buraco?

Quintal dos poderosos

Você sabia que no cenário internacional os países que têm peso nessa discussão do mundo, por motivos diversos, são a China, os Estados Unidos, a Rússia e países como a Alemanha e a Itália, na Europa. E por falar em Europa, temos aí um continente que também está à beira de uma grande crise, prevista até como mais grave do que o desastre econômico recente na Grécia.decidem

Você acredita que os destinos do Brasil e do mundo são traçados aqui dentro? Nada disso. Eles estão sendo traçados lá fora. E se você não se deu conta, eu lhe digo: os dois candidatos à presidência no Brasil são vistos com muita reserva e incerteza lá fora, por razões completamente distintas. Um candidato causa apreensão por suas posições políticas e incertezas econômicas. E o outro pelos ditames econômicos e pelas alianças em âmbito internacional. Essas alianças teriam colocado graves entraves ao Brasil no âmbito das relações internacionais.

Sim. Continuamos sendo vistos como quintais lá fora. Mas você não se preocupa com o que acontece no quintal sem comidada sua casa? Nem por isso ele deixa de ser quintal.

O mundo, em 2019, vai ser muito difícil. Anote isto. E se você acha que só o socialismo enfrenta e gera crises, você nunca acompanhou o que acontece no mundo capitalista.

Pois é. Pense em tudo isso.

E até o próximo artigo. Irá perceber o quanto temos razão ao lhe alertar para que fique esperto porque podem estar querendo matar você.

About Gerson Menezes

Gerson Menezes é jornalista, escritor e empresário. Possui uma extensa rede de sites e três canais no YouTube. Em sua carreira profissional ministrou aulas como professor universitário durante 10 anos e atualmente se dedica à atividade de empreendedor digital. Em sua atuação em jornais, revistas, assessorias de comunicação, emissoras de rádio, livros publicados, artigos na internet, já produziu mais de 15 mil textos. Parte dessa produção está em seu site pessoal, no endereço http://www.gersonmenezes.com.br (Acesse em PC/notebook. Não acessível em dispositivos móveis por conter abertura em flash). Essa produção permanece em ritmo acelerado, pois há novos textos de sua Autoria sendo continuamente publicados em blogs de artigos e em sua rede de sites, direcionados a vários nichos de mercado. É também proprietário da empresa Texto e Vídeo Produções. Seu mais novo endereço na internet engloba toda a sua rede e abrange os segmentos de Educação, Motivação, Dinheiro, Saúde, Relacionamento, Mulher, Audiovisual e Turismo. Visite: https://www.pegseuebook.com.br

Participe com seu comentário

Importante
Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso de cookies.