Home / Dinheiro pela internet / Fundamentos / O que você quer não é o que você precisa

O que você quer não é o que você precisa

O que você quer não é o que você precisa

Isto é muito mais verdade do que você imagina

E vou te mostrar que esta verdade serve tanto para compradores como para vendedores.

Leia até o final para saber o quanto isto lhe interessa de fato.

O precisar e o querer

Você quer ou você precisa?

Sabia que existe diferença?

Vou te mostrar agora como isso tem muitas variantes mas é verdade.

Vamos começar com uma pergunta:

Para que você precisa de um carro?

Para se locomover de um lugar a outro, correto?

Necessidades e vontades

Você precisa de um automóvel para ir ao serviço e retornar para casa, especialmente nas cidades onde o transporte público é muito deficitário.

É bom também que você tenha um carro para ir ao supermercado fazer compras, pois isso facilita muito na hora de retornar para casa cheio de pacotes.

E por aí vai, uma série de situações em que ter um carro é bom e em outras é necessário, como nessas que citamos e em situações de emergência, por exemplo.

Sendo assim, que tipo de carro você precisa?

Certamente de um carro com um bom motor, preferencialmente econômico e cujo preço não exceda a sua possibilidade de pagá-lo sem dificuldades.

Mas quando você vai comprar um carro, o que você procura? Um modelo bonito, com uma cor quer lhe agrade, com um excelente acabamento interno e muito confortável. Cujo preço, diga-se de passagem, muitas vezes está acima das suas possibilidades.

E é esse que você acaba comprando.

A emoção toma conta de você

A primeira coisa que você deve saber quando vai comprar ou vender alguma coisa é que o cérebro tem dois lados bem diferentes: o lado racional e o lado emocional.

Isto mesmo: razão e emoção.

E quando você compra, você normalmente é impulsionado pelo seu lado emocional, ou seja, pelo sistema límbico. E é exatamente por isso que muitas pessoas compram mais do que podem.

Quando você vende é a mesma coisa. Só que desta vez é você que tem que ativar o sistema límbico do comprador em potencial. Ou seja, você tem que apelar para as emoções.

Você quer vender ou não?

Isso não é nenhuma desonestidade. Faz parte apenas da técnica de vendas. Não significa, por exemplo, que você vá esconder as informações sobre o produto ou mentir sobre ele.

Mas pense bem. Já pensou se você entra numa loja que vende carros ou qualquer outra mercadoria e o vendedor lhe diz: “Eu tenho este aqui. Mas veja bem se é exatamente isso que você precisa. Pois, do contrário, é melhor você não comprar”.

Se algum vendedor fizer isso é lógico que ele não está pretendendo vender, mas sim não vender. E certamente vai à falência como vendedor ou vai ser sumariamente demitido pelo patrão.

E, como já dissemos, você não precisa apelar para a desonestidade a fim de vender. Você precisa apenas ressaltar as qualidades que aquele produto possui e que vão atender ao que o comprador está procurando. Ou seja: você precisa mostrar o que aquele produto possui que vai agradar ao comprador, fazê-lo feliz e satisfeito.

Até agora está simples de entender. Mas vamos adiante.

468x60

A hora de decidir

Evidentemente, compete ao comprador fazer um balanço entre o que ele quer e o que ele precisa e pode pagar.

Isso não significa também que você irá empurrar uma mercadoria ruim para o eventual comprador. Até porque, evidentemente, se você fizer isso, também vai ficar, em pouco tempo, marcado pelo comprador, que não irá comprar mais nada de você. E pode até espalhar para todo mundo que você lhe vendeu algo que não presta.

Por isso mesmo é que o vendedor de produtos digitais, por exemplo – os chamados infoprodutos – tem que fazer uma criteriosa avaliação do produto que ele vai vender.

Isso pode ser feito de várias formas. Você pode pedir informações detalhadas sobre o produto. Pode ouvir as avaliações de quem comprou. Pode pedir uma amostra grátis. Pode entrar em contato com o produtor e questioná-lo sobre vários aspectos do produto. Pode entrar em contato com outros empreendedores que são seus amigos para saber se o produto é bom mesmo. Ou pode até comprar o produto para fazer uma avaliação antes de vender.

Você tem que conquistar autoridade

Enfim, as formas são muitas. Depende apenas de sua capacidade de avaliação, que pode até incluir outras técnicas que nós não mencionamos aqui. O importante é que você tenha o cuidado de não vender um produto que não presta.

Somente assim você vai ganhar autoridade no mercado e ficar sendo conhecido como bom vendedor.

Pois do contrário, também vai começar a ficar manjado. E, da mesma forma que o vendedor que faz tudo para o comprador em potencial não levar o produto, você vai acabar fracassando como vendedor.

Ou seja: quem vai ficar prejudicado não é só o comprador. Quem vai se prejudicar é você mesmo, muitas vezes pelo resto da vida como empreendedor digital.

About Gerson Menezes

Gerson Menezes é jornalista, escritor e empresário. Possui uma extensa rede de sites e três canais no YouTube. Em sua carreira profissional ministrou aulas como professor universitário durante 10 anos e atualmente se dedica à atividade de empreendedor digital. Em sua atuação em jornais, revistas, assessorias de comunicação, emissoras de rádio, livros publicados, artigos na internet, já produziu mais de 15 mil textos. Parte dessa produção está em seu site pessoal, no endereço http://www.gersonmenezes.com.br (Acesse em PC/notebook. Não acessível em dispositivos móveis por conter abertura em flash). Essa produção permanece em ritmo acelerado, pois há novos textos de sua Autoria sendo continuamente publicados em blogs de artigos e em sua rede de sites, direcionados a vários nichos de mercado. É também proprietário da empresa Texto e Vídeo Produções. Seu mais novo endereço na internet engloba toda a sua rede e abrange os segmentos de Educação, Motivação, Dinheiro, Saúde, Relacionamento, Mulher, Audiovisual e Turismo. Visite: https://www.pegseuebook.com.br

Participe com seu comentário

Importante
Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso de cookies.